27 de jan de 2011



A CAIXA DAS CARTAS ANTIGAS

João Luís Barreto Guimarães


Ainda está por decidir a caixa 
onde somamos 
cartas de quem nos queria antes
do acordar aqui. Mas 
como ordenar essas linhas 
(mesmo que 
para as ler de vez)
sem ter que rever cada voz?
Resistindo à distracção de
ter que aceder à memória?
Sendo fiel ao momento sem
ser
desleal com o passado?
Usando apenas as mãos
sem usar dos sentimentos?
Revisitando os lugares
sem saudar as personagens?
chaves que deves fazer por
perder nas despedidas
se
no agudo vão de escadas que sobe ao teu coração
a caixa é uma teia
(ardilosamente montada)
pronta a reter a pressa de
um
voo mais desprevenido.


© João Luís Barreto Guimarães
In, Rés-do Chão
Editora Gótica, 2003
Portugal



Um comentário:

Dina disse...

No voo das memórias revisitadas!
Um beijo para ti, Mirante *