8 de jan de 2011



FOLHA

David Mourão-Ferreira

Era uma folha pousada
no cotovelo do vento:
e pairava, deslumbrada,
entre morte e movimento.

Era uma folha: lembrava,
de tão frágil, o momento
em que a vida me ficava
escrava do teu juramento.

Era uma folha: mais nada.
Antes fosse esquecimento!


© David de Jesus Mourão-Ferreira
In "Os quatro cantos do tempo"
Obra Poética, 5ª ed., Editorial Presença, 2006
Escritor e Poeta, 1927 - 1996
Portugal


Um comentário:

Ana disse...

É David Mourão-Ferreira : mais nada!