14 de fev de 2011



CHAU NÚMERO TRES

Mario Benedetti


Te dejo con tu vida
tu trabajo
tu gente
con tus puestas de sol
y tus amaneceres.

Sembrando tu confianza
te dejo junto al mundo
derrotando imposibles
segura sin seguro.

Te dejo frente al mar
descifrándote sola
sin mi pregunta a ciegas
sin mi respuesta rota.

Te dejo sin mis dudas
pobres y malheridas
sin mis inmadureces
sin mi veteranía.

Pero tampoco creas
a pie juntillas todo
no creas nunca creas
este falso abandono.

Estaré donde menos
lo esperes
por ejemplo
en un árbol añoso
de oscuros cabeceos.

Estaré en un lejano
horizonte sin horas
en la huella del tacto
en tu sombra y mi sombra.

Estaré repartido
en cuatro o cinco pibes
de esos que vos mirás
y enseguida te siguen.

Y ojalá pueda estar
de tu sueño en la red
esperando tus ojos
y mirándote.


© Mario Benedetti
In, Poemas de otros (1973-1974)
 e In, El amor, las mujeres y la vida (1995)

Copyright © Mario Benedetti, 1995 
c/o Guillermo Schavelzon & Asoc. Agencia Literaria


-----------------------------------------------------------


ADEUS NÚMERO 3

Deixo-te com tua vida
teu trabalho
tua gente
com teus pores-do-sol
e teus amanheceres.

Semeando tua confiança
deixo-te junto ao mundo
derrotando impossíveis
segura sem seguro.

Deixo-te frente ao mar
decifrando-te a sós
sem minha pergunta às cegas
sem minha resposta rota.

Deixo-te sem minhas dúvidas
pobres e mutiladas
sem minha imaturidade
sem minha veteranice.

Mas também não creias
de pés juntos em tudo
não creias nunca creias
neste falso abandono.

Estarei onde menos
esperares
por exemplo
numa árvore anciã
de obscuros cabeceios.

Estarei num distante
horizonte sem horas
na marca do tato
em tua sombra e minha sombra.

Estarei repartido
em quatro ou cinco meninos
desses para quem olhas
e em seguida te seguem.

E tomara possa estar
de teus sonhos na trama
esperando teus olhos
e te olhando.


Tradução de © Celina Portocarrero
Considero pessoalmente essa a melhor tradução

Mario Benedetti (Paso de los Toros, 14 de setembro de 1920 — Montevidéu, 17 de maio de 2009) foi um poeta, escritor e ensaísta uruguaio. Integrante da Geração de 45, a qual pertencem também Idea Vilariño e Juan Carlos Onetti, entre outros. Considerado um dos principais autores uruguaios, ele iniciou a carreira literária em 1949 e ficou famoso em 1956, ao publicar "Poemas de Oficina", uma de suas obras mais conhecidas. Benedetti escreveu mais de 80 livros de poesia, romances, contos e ensaios, assim como roteiros para cinema.


Um comentário:

Ana disse...

Conheço muito pouco deste poeta! Tenho de corrigir esta minha falta!

"E tomara possa estar
de teus sonhos na trama
esperando teus olhos
e te olhando "

Belo! Obrigada por me fazer conhecer!
Um beijo para si *