15 de abr de 2011



NAVIO NAUFRAGADO

Sophia de Mello Breyner Andresen


Vinha de um mundo
Sonoro, nítido e denso.
E agora o mar o guarda no seu fundo
Silencioso e suspenso.

É um esqueleto branco o capitão,
Branco como as areias,
Tem duas conchas na mão
Tem algas em vez de veias
E uma medusa em vez de coração.

Em seu redor as grutas de mil cores
Tomam formas incertas quase ausentes
E a cor das águas toma a cor das flores
E os animais são mudos, transparentes.

E os corpos espalhados nas areias
Tremem à passagem das sereias,
As sereias leves dos cabelos roxos
Que têm olhos vagos e ausentes
E verdes como os olhos de videntes.


©Sophia de Mello Breyner Andresen

In, O Dia do Mar - 1947, Lisboa, Edições Ática;
3ª ed. 1974 - Portugal


Nenhum comentário: